20 novembro 2005

Uma breve historia dos GNR


No fim dos anos 70, ainda sem Rui Reininho, o Grupo Novo Rock (GNR) gamou a sigla á Guarda Nacional Republicana e começou a cantar que queria ver Portugal na CEE. Os “agentes” da formação inicial eram: Alexandre Soares na Voz e Guitarra e Tóli César Machado na bateria. Ainda antes de aparecer o grande poeta Reininho entrou para o baixo o Vítor Rua.
Depois de formada a banda inicial (Alexandre/Tóli/Vítor) e até sair o primeiro álbum (Independança) os GNR foram um corrupio de músicos que entravam e saíam da banda.
No mês de Março de 81 é editado "Portugal Na CEE" e "Espelho Meu", nesta fase sai Mano Zé, que chegara á banda á pouco tempo sendo substituído por Miguel Megre no baixo. O single "Sê um GNR" acaba por vender mais que o anterior.
O Independança, primeiro álbum do grupo, veio para o mercado em 1982 com Miguel Megre agora nas teclas e com um novo vocalista e escrivão mor Rui Reininho, vindo do projecto experimental: Anar Band.
O álbum foi um fracasso em termos comerciais, ainda que, na minha opinião, muito avançado para a o seu tempo. Miguel Megre abandona a banda e Alexandre Soares é empurrado para fora.
Vítor Rua e Tóli Machado são convidados para produzirem o primeiro álbum de António Variações. Nesta altura Rua abandona o grupo.
No ano de 83 dá-se o regresso de Alexandre Soares, porque Vítor Rua queria acabar com o nome GNR, uma vez que só o Tóli era dos primórdios. Já com o baixista Jorge Romão sai o álbum "Defeitos Especiais".
Em 1985 Tóli passa a ocupar-se dos teclados e sai um álbum carregado de sucessos: "Os Homens Não Se Querem Bonitos" dos quais se salienta o hino: Dunas.
Em Setembro de 1986 fabricam o álbum "Psicopátria" que chega a disco de prata com temas como "Efectivamente" e "Bellevue".
Em 1987 Alexandre Soares abandona definitivamente os GNR e entra o guitarrista ex: Mler Ife Dada, Zézé Garcia.
Com tantas entradas e saídas os GNR mantiveram a alma do seu início como se a banda não fossem as pessoas que a compõem mais algo muito superior aos seus elementos.

Depois os álbuns de sucesso foram surgindo: Em 1992 o álbum "Rock in Rio Douro", "Sob Escuta" em 1994.

Em 1996 Alexandre Soares e Vítor Ruas fazem as pazes com a banda e aparecem na festa de lançamento de "Tudo O Que Você Queria Ouvir - o Melhor dos GNR". Chegam mesmo a tocar ao vivo em 1997 num concerto que o grupo deu no Coliseu.

No ano de 98 sai o álbum “mosquito” e ainda têm tempo para gravar “quando eu morrer” para o álbum de homenagem ao Xutos & Pontapés.

Depois em 2000 os nossos ouvidos são brindados com o álbum “Popless". Já no ano 2002 ficaram “do lado dos sisnes” e voltam ás belas guitarradas.

Agora temos que esperar porque os rapazes ainda têm muito para mostrar.

Eu vou ficar a aguardar por mais mas sempre com o ouvido no que já nos deram.
Enviar um comentário