07 novembro 2006

A tristeza de Lucrécia…


O frio rachava pelas goteiras, encolhida, com as pernas encostadas ao peito, ouviu o relógio da igreja gritar para a noite que eram cinco da madrugada. Que triste coincidência, o Sr. Prior tinha vindo, mais uma vez, servir-se do seu corpo para satisfazer as tentações da carne, pobre espírito. Quanto mais espezinhava e gritava – não! – mais prazer parecia dar àquela alma de diabo, nesse momentos maldizia a mãe por não ter feito um desmancho quando estava grávida dela, não a devia ter trazido ao mundo para isto, não a matou de uma vez enquanto nada sentia e castigou-a com este corpo putrefeito que agora fede àquilo a que alguns chamam amor.
Sempre que é violada deixa o maltrapilho sozinho no quarto como quem se masturba na solidão e o seu espírito vagueia por amores que nunca vai encontrar, porque não existem, mas ela nesses momentos também não, quando satisfeito o sacro (demoniaco) homem grita – Foi a tua mãe que mandou, tens que obedecer á sua ultima vontade, não te esqueças que fui eu quem a encaminhou para o céu através da oração, não queiras que ela arda no inferno por ter feito dois abortos e ter tentado o mesmo em ti.

A chuva purifica o corpo mas não há nada que lave a alma.

- Lucrécia, minha linda que te aconteceu rapariga?
- Nada, dona Purificação, nada… - com os olhos postos no chão.
- Está com a cara de quem não dormiu nada e com esses olhos tão tristes, anima-te rapariga tu és muito bonita para andares por aí assim como quem anda com o mundo ás costas.
- Tenho que lhe perguntar uma coisa… mas tenho tanto medo!
- Logo vi que havia marosca, desembucha rapariga, sabes muito bem que podes confiar em mim!
- Não tenho… mais ninguém… a quem recorrer…
- Vá lá! Não tenhas medo sou toda ouvidos.
- Tou grávida e tenho que fazer um aborto, esta criança não pode vir ao mundo!
- Porra rapariga, podias ter dito logo, quem foi o bastardo? Já falas-te com ele?
- Não posso dizer a ninguém…
- Pronto não digas, mas como sabes houve três referendos á lei do aborto, no fundo foi até o sim ganhar, eu não concordo que mates a vida que tens dentro de ti, mas se esse é o teu desejo é só dirigires-te ao teu médico de família…
- Isso é só para os ricos que antes gastavam o dinheiro nas clínicas de Espanha…
- Não minha querida, eu vejo mal por causa das malditas cataratas, mas se quiser ser operada na privada tenho que pagar do meu bolso, mas para tu abortares o estado paga tudo na clínica.
- Sim, sim na teoria é, mas na prática só aceitam quem querem, os sem condições para alimentar mais uma boca não se podem dar a esse luxo, para nos ou utilizamos o citotec ou vem mais um desgraçado ao mundo!
- Quem venha! Que eu não te posso permitir que o mates como a tua mãe te queria fazer a ti…
- Antes o tivesse feito…
- Nem o penses quanto mais dize-lo, ainda hoje vais viver para minha casa, amanhã vamos fornicar o filho da mãe que abusou de ti, ele que se ponha fino que sou capaz de lhe arrancar o apetrecho…
Dona Purificação agarrou na mão de Lucrécia e em silencio seguiram para o terço das sete, começou a chover a cântaros, Lucrécia não entrou, deixou-se ficar plantada á porta da Igreja com a esperança de que as lágrimas do céu lhe lavassem a alma e as entranhas, mas ao fim de vinte cinco anos já a pequeno aborto estava a sair da faculdade para ajudar a mãe na gestão do seu império de chinelos de dedos, construído com a ajuda de um marido de sonhos que a ajudou a criar mais quatro filhos. Ah! a dona Purificação essa não existia a Lucrécia esteve a falar com uma amiga imaginária ou seria com o seu próprio filho ainda no ventre disfarçado de mulher… o que nos faz a natureza para contrariar a morte….
Enviar um comentário